Está aqui

Cascais expõe obra de um dos maiores arquitetos portugueses

A exposição “Silva Júnior: Um Arquiteto em Cascais” dedicada à vida e obra deste arquiteto português, patente da Casa Sommer, em Cascais, até 31 de agosto, apresenta alguns do seus mais emblemáticos projetos, cujos originais foram depositados pela Casa do Alentejo no Arquivo Histórico Municipal de Cascais e que agora se apresenta ao grande público.

António Rodrigues da Silva Júnior foi autor de inúmeras obras no Estoril e em Cascais para aristocratas e ricos comerciantes que desejavam ter habitação permanente ou de veraneio na zona, tornando-se um dos mais requisitados arquitetos da época.

Autor do estudo “A Atlântida” (Subsídio para a sua reconstituição histórica, geográfica, etnológica e política), publicado em Lisboa na revista “A Arquitetura Portuguesa”, de janeiro de 1930 a maio de 1933, Silva Júnior distinguiu-se por “uma arquitetura extraordinária de cenografia”, nas palavras de Helena Gonçalves Pinto, consultora para a exposição.

Para o Estoril desenvolveu o grande projeto da Instância Marítima e Desportiva do Estoril, cuja matriz foi desenhado pelo arquiteto francês Henry Martinet (no início do século XX) e que Silva Júnior, depois do afastamento deste arquiteto por parte da empresa de Fausto Figueiredo, vai desenvolver “com uma elegância, mas também com um rigor extraordinário ao nível do desenvolvimento dos edifícios principais: o Casino que estava no topo desse parque do Estoril, o edifício de estabelecimento de banhos com um hotel em anexo – o Hotel do Parque, o Hotel Palácio e depois um conjunto de edifícios acessórios à atividade termal, como os pavilhões de restaurantes, o pavilhão de desportos, as garagens e as habitações”, explica Helena Gonçalves Pinto.  

Há um outro lado do Arquiteto Silva Júnior menos conhecido que é o desenvolvimento dos Paços do Concelho, um edifício monumental a implantar no Jardim Visconde da Luz. Um edifício que congregava várias áreas, desde a polícia, ao juizado. “Este era um edifício de caracter monumental, mas também inovador” afirma a consultora da exposição. O edifício incluía uma biblioteca pública e áreas públicas de grande dimensão, “elegendo e colocando numa plataforma quase monumental o edifício dos Paços do Concelho que quase rivalizava com os Paços de Concelho de Lisboa, em termos da sua monumentalidade”, refere.  

Helena Gonçalves Pinto, aponta também no espólio agora apresentado, “o inovador olhar sobre as estações de tratamento de esgotos de depuração biológica”, acrescentando que este é “ um assunto sobre o qual Silva Júnior tanto estudou, escreveu e depois desenvolveu para o concelho de Cascais”. De referir que estas estações de tratamento vinham resolver questões importantes da salubridade, colocando uma tónica na questão do “higienismo”, assim como vinham resolver a questão da contaminação quer de rio e do mar, quer da área das fossas, resolvendo muitos dos problemas que existiam, na altura, nas grandes cidades. “ Silva Júnior vai faze-lo com um grande conhecimento, com muita fundamentação, sendo esta uma área também menos conhecida pelo público”, refere a especialista.  

À questão que outros pontos de interesse ressalva desta exposição, Helena Gonçalves Pinto refere: “ o olhar deste arquiteto sobre a arquitetura residencial”, representando os diferentes estilos que vão pautar a sua obra entre 1915 e 1930. Mas, também destaca o desenvolvimento da área termal, os edifícios quer para o projeto do Estoril quer também os edifícios menos conhecidos do grande público para a instância termal do Vidago.

“Curioso é também o seu pensamento e o seu olhar sobre o saber e como Silva Júnior olhou o tema da Atlântida que vai desenvolver em termos escritos na Revista da Arquitetura Portuguesa” destaca a consultora para a exposição, que ressalva “ a minúcia extraordinária com que o desenhou”.

As fábricas de cerveja Estrela, Fénix e Germânia (atual Portugália), o Magestic Club (hoje Casa do Alentejo), o Hotel Central, do quartel para os remadores da alfândega, da estação aduaneira da Doca de Alcântara, a Escola Superior de Farmácia, o Posto de Medicina Veterinária, as novas instalações fabris da Casa da Moeda e de alteração da Praça do Campo Pequeno, para além de diversas habitações, são as obras mais conhecidas deste arquiteto, erigidas na capital portuguesa.

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisbanner_bairromuseus_0banner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais